Total de visualizações de página

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Amvali – Oficina de Capacitação em Patrimônio Material e Imaterial - 05



O Brasil é uma nação marcada por elaboração de milhares de leis nas esferas municipal, estadual e federal. Todavia, fazer a aplicação delas é um tremendo desafio, pois nem o poder público tem condições de arcar com o que criou para normatizar e equilibrar as forças antagônicas de diversas origens, que se deleitam para conviver nos ângulos das letras e pontuações.
A Associação dos Municípios do Vale Itapocu, ciente da responsabilidade de emplacar o associativismo municipalista focado em valores, convocou os agentes públicos para capacitar visando refletir a Lei 5.846/1980 e Decreto 2.504, que tratam da questão mais vulnerável do momento, a cultura matéria e imaterial.
O vídeo ilustra o evento, que marcou os anais da história regional do associativismo municipalista, que tem missão de tratativas para a defesa das políticas públicas visando provocar os senhores agentes públicos, do Poder Executivo, Legislativo e Judiciário, sobre o valor da cultura material e imaterial.


O historiador Rodrigo Rosa, da Fundação Catarinense de Cultura a Jaraguá do Sul (SC), para abordar a oficina, no bairro Vila Nova, na Rua Artur Gumz.
Esses dois parâmetros de referências incentivam a reflexão para o respeito ao multiculturalismo e a todas as formas de expressões de cultura, na esfera material e imaterial. Isso gera vínculos e laços entre os cidadão e os espaços de memória e história.





Ademir Pfiffer - Historiador

Amvali – Oficina de Capacitação em Patrimônio Material e Imaterial - 04



O Brasil é uma nação marcada por elaboração de milhares de leis nas esferas municipal, estadual e federal. Todavia, fazer a aplicação delas é um tremendo desafio, pois nem o poder público tem condições de arcar com o que criou para normatizar e equilibrar as forças antagônicas de diversas origens, que se deleitam para conviver nos ângulos das letras e pontuações.
A Associação dos Municípios do Vale Itapocu, ciente da responsabilidade de emplacar o associativismo municipalista focado em valores, convocou os agentes públicos para capacitar visando refletir a Lei 5.846/1980 e Decreto 2.504, que tratam da questão mais vulnerável do momento, a cultura matéria e imaterial.
O vídeo ilustra o evento, que marcou os anais da história regional do associativismo municipalista, que tem missão de tratativas para a defesa das políticas públicas visando provocar os senhores agentes públicos, do Poder Executivo, Legislativo e Judiciário, sobre o valor da cultura material e imaterial.


O historiador Rodrigo Rosa, da Fundação Catarinense de Cultura a Jaraguá do Sul (SC), para abordar a oficina, no bairro Vila Nova, na Rua Artur Gumz.
Esses dois parâmetros de referências incentivam a reflexão para o respeito ao multiculturalismo e a todas as formas de expressões de cultura, na esfera material e imaterial. Isso gera vínculos e laços entre os cidadão e os espaços de memória e história.





Ademir Pfiffer - Historiador

Amvali – Oficina de Capacitação em Patrimônio Material e Imaterial - 03



O Brasil é uma nação marcada por elaboração de milhares de leis nas esferas municipal, estadual e federal. Todavia, fazer a aplicação delas é um tremendo desafio, pois nem o poder público tem condições de arcar com o que criou para normatizar e equilibrar as forças antagônicas de diversas origens, que se deleitam para conviver nos ângulos das letras e pontuações.
A Associação dos Municípios do Vale Itapocu, ciente da responsabilidade de emplacar o associativismo municipalista focado em valores, convocou os agentes públicos para capacitar visando refletir a Lei 5.846/1980 e Decreto 2.504, que tratam da questão mais vulnerável do momento, a cultura matéria e imaterial.
O vídeo ilustra o evento, que marcou os anais da história regional do associativismo municipalista, que tem missão de tratativas para a defesa das políticas públicas visando provocar os senhores agentes públicos, do Poder Executivo, Legislativo e Judiciário, sobre o valor da cultura material e imaterial.


O historiador Rodrigo Rosa, da Fundação Catarinense de Cultura a Jaraguá do Sul (SC), para abordar a oficina, no bairro Vila Nova, na Rua Artur Gumz.
Esses dois parâmetros de referências incentivam a reflexão para o respeito ao multiculturalismo e a todas as formas de expressões de cultura, na esfera material e imaterial. Isso gera vínculos e laços entre os cidadão e os espaços de memória e história.





Ademir Pfiffer - Historiador

Amvali – Oficina de Capacitação em Patrimônio Material e Imaterial - 02



O Brasil é uma nação marcada por elaboração de milhares de leis nas esferas municipal, estadual e federal. Todavia, fazer a aplicação delas é um tremendo desafio, pois nem o poder público tem condições de arcar com o que criou para normatizar e equilibrar as forças antagônicas de diversas origens, que se deleitam para conviver nos ângulos das letras e pontuações.
A Associação dos Municípios do Vale Itapocu, ciente da responsabilidade de emplacar o associativismo municipalista focado em valores, convocou os agentes públicos para capacitar visando refletir a Lei 5.846/1980 e Decreto 2.504, que tratam da questão mais vulnerável do momento, a cultura matéria e imaterial.
O vídeo ilustra o evento, que marcou os anais da história regional do associativismo municipalista, que tem missão de tratativas para a defesa das políticas públicas visando provocar os senhores agentes públicos, do Poder Executivo, Legislativo e Judiciário, sobre o valor da cultura material e imaterial.


O historiador Rodrigo Rosa, da Fundação Catarinense de Cultura a Jaraguá do Sul (SC), para abordar a oficina, no bairro Vila Nova, na Rua Artur Gumz.
Esses dois parâmetros de referências incentivam a reflexão para o respeito ao multiculturalismo e a todas as formas de expressões de cultura, na esfera material e imaterial. Isso gera vínculos e laços entre os cidadão e os espaços de memória e história.



Ademir Pfiffer - Historiador

Amvali – Oficina de Capacitação em Patrimônio Material e Imaterial - 01





O Brasil é uma nação marcada por elaboração de milhares de leis nas esferas municipal, estadual e federal. Todavia, fazer a aplicação delas é um tremendo desafio, pois nem o poder público tem condições de arcar com o que criou para normatizar e equilibrar as forças antagônicas de diversas origens, que se deleitam para conviver nos ângulos das letras e pontuações.
A Associação dos Municípios do Vale Itapocu, ciente da responsabilidade de emplacar o associativismo municipalista focado em valores, convocou os agentes públicos para capacitar visando refletir a Lei 5.846/1980 e Decreto 2.504, que tratam da questão mais vulnerável do momento, a cultura matéria e imaterial.
O vídeo ilustra o evento, que marcou os anais da história regional do associativismo municipalista, que tem missão de tratativas para a defesa das políticas públicas visando provocar os senhores agentes públicos, do Poder Executivo, Legislativo e Judiciário, sobre o valor da cultura material e imaterial.
O historiador Rodrigo Rosa, da Fundação Catarinense de Cultura a Jaraguá do Sul (SC), para abordar a oficina, no bairro Vila Nova, na Rua Artur Gumz.
Esses dois parâmetros de referências incentivam a reflexão para o respeito ao multiculturalismo e a todas as formas de expressões de cultura, na esfera material e imaterial. Isso gera vínculos e laços entre os cidadão e os espaços de memória e história.

Ademir Pfiffer - Historiador

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Conjunto Rural Rio da Luz – Schützenverein – Baile Típico dos Anos 60 - 13



Os moradores remanescentes do Conjunto Rural do Rio da Luz organizaram mais evento celebrando a cultura teuto-brasileira, o patrimônio imaterial do schützeverein – festa de tiro rei - conforme os costumes dos anos 60, na Sociedade Ribeirão Grande da Luz, Sohnstiefe, Município de Jaraguá do Sul (SC).
Nas edições anteriores, o evento do baile típico dos anos 60 contava com o incentivo do Fundo de Cultura do Município de Jaraguá do Sul. Desta vez, os teuto-brasileiros – pomeranos e alemães – por conta do associativismo organizaram a celebração da cultura germânica, que novamente foi um sucesso, tanto no quesito social e cultural.
A presença dos defensores do legado cultural dos antepassados, os associativista e simpatizantes fez a diferença, nem ausência da classe política – agentes facilitadores do Fundo de Cultura - não diminui o valor simbólico e o caráter, também de memória e folclore, que foi difundido no ponto de socaibilidade.
A tocata contratada para o evento era composta por músicos de Massaranduba, Blumenau e Pomerode. Assim, um roteiro foi programado: ritualística folclórica das majestades – carroceiros e troleiros se concentraram em frente à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, para recepcionar os músicos e os associativista do tiro ao alvo. De regresso à sede social aconteceu a sessão solene de homenagens, café colonial – com iguarias das festas de antigamente – competições de tiro ao alvo – baile social – à luz de lampião e tochas - sagração das novas majestades para a primavera austral de 2018.
O evento iniciou com a concentração de sócios às 17 h, em seguida partiu a caravana para a busca das seguintes majestades: Evanir Vasel, rei; Nilson Schweder, 1º cavalheiro e Ademar Hornburg, 2º cavalheiro.
Em 2018, pelo rodizio da festa, será novamente a sede da Associação Cultural e Recreativa Rio da Luz – Salão Barg, cujo rei será Valdecir Spredmann.
Todavia, é um desafio sensibilizar a nova geração, para a defesa do seu patrimônio, quer material e imaterial, pois as rupturas e as fragilidades deterioram os valores com o passar dos tempos, pois as redes sociais da rede mundial dos computadores criaram novos paradigmas de comportamento de vida, em relação à convivência comunitária entre os povos e a sociedade atual.
Através desse evento as seis sociedades de tiro ao alvo pelo projeto proponente e pelo registro da pesquisa buscam salvaguardar o patrimônio imaterial – as festas de tiro rei - do Conjunto Rural do Rio Luz, uma região que tem a presença dos pomeranos e alemães, desde a década de 60, do século XIX.
A inciativa das sociedades de tiro ao alvo do Conjunto Rural do Rio da Luz é um exemplo comunitário, para salvaguardar os hábitos e os costumes dos antepassados, em sintonia com a contemporaneidade. Dessa forma, ainda teremos muitas comemorações do schützenverein.


Ademir Pfiffer – Historiador

Conjunto Rural Rio da Luz – Schützenverein – Baile Típico dos Anos 60 - 12



Os moradores remanescentes do Conjunto Rural do Rio da Luz organizaram mais evento celebrando a cultura teuto-brasileira, o patrimônio imaterial do schützeverein – festa de tiro rei - conforme os costumes dos anos 60, na Sociedade Ribeirão Grande da Luz, Sohnstiefe, Município de Jaraguá do Sul (SC).
Nas edições anteriores, o evento do baile típico dos anos 60 contava com o incentivo do Fundo de Cultura do Município de Jaraguá do Sul. Desta vez, os teuto-brasileiros – pomeranos e alemães – por conta do associativismo organizaram a celebração da cultura germânica, que novamente foi um sucesso, tanto no quesito social e cultural.
A presença dos defensores do legado cultural dos antepassados, os associativista e simpatizantes fez a diferença, nem ausência da classe política – agentes facilitadores do Fundo de Cultura - não diminui o valor simbólico e o caráter, também de memória e folclore, que foi difundido no ponto de socaibilidade.
A tocata contratada para o evento era composta por músicos de Massaranduba, Blumenau e Pomerode. Assim, um roteiro foi programado: ritualística folclórica das majestades – carroceiros e troleiros se concentraram em frente à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, para recepcionar os músicos e os associativista do tiro ao alvo. De regresso à sede social aconteceu a sessão solene de homenagens, café colonial – com iguarias das festas de antigamente – competições de tiro ao alvo – baile social – à luz de lampião e tochas - sagração das novas majestades para a primavera austral de 2018.
O evento iniciou com a concentração de sócios às 17 h, em seguida partiu a caravana para a busca das seguintes majestades: Evanir Vasel, rei; Nilson Schweder, 1º cavalheiro e Ademar Hornburg, 2º cavalheiro.
Em 2018, pelo rodizio da festa, será novamente a sede da Associação Cultural e Recreativa Rio da Luz – Salão Barg, cujo rei será Valdecir Spredmann.
Todavia, é um desafio sensibilizar a nova geração, para a defesa do seu patrimônio, quer material e imaterial, pois as rupturas e as fragilidades deterioram os valores com o passar dos tempos, pois as redes sociais da rede mundial dos computadores criaram novos paradigmas de comportamento de vida, em relação à convivência comunitária entre os povos e a sociedade atual.
Através desse evento as seis sociedades de tiro ao alvo pelo projeto proponente e pelo registro da pesquisa buscam salvaguardar o patrimônio imaterial – as festas de tiro rei - do Conjunto Rural do Rio Luz, uma região que tem a presença dos pomeranos e alemães, desde a década de 60, do século XIX.
A inciativa das sociedades de tiro ao alvo do Conjunto Rural do Rio da Luz é um exemplo comunitário, para salvaguardar os hábitos e os costumes dos antepassados, em sintonia com a contemporaneidade. Dessa forma, ainda teremos muitas comemorações do schützenverein.


Ademir Pfiffer – Historiador

Conjunto Rural Rio da Luz – Schützenverein – Baile típico dos Anos 60 - 11



Os moradores remanescentes do Conjunto Rural do Rio da Luz organizaram mais evento celebrando a cultura teuto-brasileira, o patrimônio imaterial do schützeverein – festa de tiro rei - conforme os costumes dos anos 60, na Sociedade Ribeirão Grande da Luz, Sohnstiefe, Município de Jaraguá do Sul (SC).
Nas edições anteriores, o evento do baile típico dos anos 60 contava com o incentivo do Fundo de Cultura do Município de Jaraguá do Sul. Desta vez, os teuto-brasileiros – pomeranos e alemães – por conta do associativismo organizaram a celebração da cultura germânica, que novamente foi um sucesso, tanto no quesito social e cultural.
A presença dos defensores do legado cultural dos antepassados, os associativista e simpatizantes fez a diferença, nem ausência da classe política – agentes facilitadores do Fundo de Cultura - não diminui o valor simbólico e o caráter, também de memória e folclore, que foi difundido no ponto de socaibilidade.
A tocata contratada para o evento era composta por músicos de Massaranduba, Blumenau e Pomerode. Assim, um roteiro foi programado: ritualística folclórica das majestades – carroceiros e troleiros se concentraram em frente à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, para recepcionar os músicos e os associativista do tiro ao alvo. De regresso à sede social aconteceu a sessão solene de homenagens, café colonial – com iguarias das festas de antigamente – competições de tiro ao alvo – baile social – à luz de lampião e tochas - sagração das novas majestades para a primavera austral de 2018.
O evento iniciou com a concentração de sócios às 17 h, em seguida partiu a caravana para a busca das seguintes majestades: Evanir Vasel, rei; Nilson Schweder, 1º cavalheiro e Ademar Hornburg, 2º cavalheiro.
Em 2018, pelo rodizio da festa, será novamente a sede da Associação Cultural e Recreativa Rio da Luz – Salão Barg, cujo rei será Valdecir Spredmann.
Todavia, é um desafio sensibilizar a nova geração, para a defesa do seu patrimônio, quer material e imaterial, pois as rupturas e as fragilidades deterioram os valores com o passar dos tempos, pois as redes sociais da rede mundial dos computadores criaram novos paradigmas de comportamento de vida, em relação à convivência comunitária entre os povos e a sociedade atual.
Através desse evento as seis sociedades de tiro ao alvo pelo projeto proponente e pelo registro da pesquisa buscam salvaguardar o patrimônio imaterial – as festas de tiro rei - do Conjunto Rural do Rio Luz, uma região que tem a presença dos pomeranos e alemães, desde a década de 60, do século XIX.
A inciativa das sociedades de tiro ao alvo do Conjunto Rural do Rio da Luz é um exemplo comunitário, para salvaguardar os hábitos e os costumes dos antepassados, em sintonia com a contemporaneidade. Dessa forma, ainda teremos muitas comemorações do schützenverein.


Ademir Pfiffer – Historiador

Conjunto Rural Rio da Luz – Schützenverein – Baile típico dos Anos 60 - 10



Os moradores remanescentes do Conjunto Rural do Rio da Luz organizaram mais evento celebrando a cultura teuto-brasileira, o patrimônio imaterial do schützeverein – festa de tiro rei - conforme os costumes dos anos 60, na Sociedade Ribeirão Grande da Luz, Sohnstiefe, Município de Jaraguá do Sul (SC).
Nas edições anteriores, o evento do baile típico dos anos 60 contava com o incentivo do Fundo de Cultura do Município de Jaraguá do Sul. Desta vez, os teuto-brasileiros – pomeranos e alemães – por conta do associativismo organizaram a celebração da cultura germânica, que novamente foi um sucesso, tanto no quesito social e cultural.
A presença dos defensores do legado cultural dos antepassados, os associativista e simpatizantes fez a diferença, nem ausência da classe política – agentes facilitadores do Fundo de Cultura - não diminui o valor simbólico e o caráter, também de memória e folclore, que foi difundido no ponto de socaibilidade.
A tocata contratada para o evento era composta por músicos de Massaranduba, Blumenau e Pomerode. Assim, um roteiro foi programado: ritualística folclórica das majestades – carroceiros e troleiros se concentraram em frente à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, para recepcionar os músicos e os associativista do tiro ao alvo. De regresso à sede social aconteceu a sessão solene de homenagens, café colonial – com iguarias das festas de antigamente – competições de tiro ao alvo – baile social – à luz de lampião e tochas - sagração das novas majestades para a primavera austral de 2018.
O evento iniciou com a concentração de sócios às 17 h, em seguida partiu a caravana para a busca das seguintes majestades: Evanir Vasel, rei; Nilson Schweder, 1º cavalheiro e Ademar Hornburg, 2º cavalheiro.
Em 2018, pelo rodizio da festa, será novamente a sede da Associação Cultural e Recreativa Rio da Luz – Salão Barg, cujo rei será Valdecir Spredmann.
Todavia, é um desafio sensibilizar a nova geração, para a defesa do seu patrimônio, quer material e imaterial, pois as rupturas e as fragilidades deterioram os valores com o passar dos tempos, pois as redes sociais da rede mundial dos computadores criaram novos paradigmas de comportamento de vida, em relação à convivência comunitária entre os povos e a sociedade atual.
Através desse evento as seis sociedades de tiro ao alvo pelo projeto proponente e pelo registro da pesquisa buscam salvaguardar o patrimônio imaterial – as festas de tiro rei - do Conjunto Rural do Rio Luz, uma região que tem a presença dos pomeranos e alemães, desde a década de 60, do século XIX.
A inciativa das sociedades de tiro ao alvo do Conjunto Rural do Rio da Luz é um exemplo comunitário, para salvaguardar os hábitos e os costumes dos antepassados, em sintonia com a contemporaneidade. Dessa forma, ainda teremos muitas comemorações do schützenverein.


Ademir Pfiffer – Historiador

Conjunto Rural Rio da Luz – Schützenverein – Baile típico dos Anos 60 - 09



Os moradores remanescentes do Conjunto Rural do Rio da Luz organizaram mais evento celebrando a cultura teuto-brasileira, o patrimônio imaterial do schützeverein – festa de tiro rei - conforme os costumes dos anos 60, na Sociedade Ribeirão Grande da Luz, Sohnstiefe, Município de Jaraguá do Sul (SC).
Nas edições anteriores, o evento do baile típico dos anos 60 contava com o incentivo do Fundo de Cultura do Município de Jaraguá do Sul. Desta vez, os teuto-brasileiros – pomeranos e alemães – por conta do associativismo organizaram a celebração da cultura germânica, que novamente foi um sucesso, tanto no quesito social e cultural.
A presença dos defensores do legado cultural dos antepassados, os associativista e simpatizantes fez a diferença, nem ausência da classe política – agentes facilitadores do Fundo de Cultura - não diminui o valor simbólico e o caráter, também de memória e folclore, que foi difundido no ponto de socaibilidade.
A tocata contratada para o evento era composta por músicos de Massaranduba, Blumenau e Pomerode. Assim, um roteiro foi programado: ritualística folclórica das majestades – carroceiros e troleiros se concentraram em frente à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, para recepcionar os músicos e os associativista do tiro ao alvo. De regresso à sede social aconteceu a sessão solene de homenagens, café colonial – com iguarias das festas de antigamente – competições de tiro ao alvo – baile social – à luz de lampião e tochas - sagração das novas majestades para a primavera austral de 2018.
O evento iniciou com a concentração de sócios às 17 h, em seguida partiu a caravana para a busca das seguintes majestades: Evanir Vasel, rei; Nilson Schweder, 1º cavalheiro e Ademar Hornburg, 2º cavalheiro.
Em 2018, pelo rodizio da festa, será novamente a sede da Associação Cultural e Recreativa Rio da Luz – Salão Barg, cujo rei será Valdecir Spredmann.
Todavia, é um desafio sensibilizar a nova geração, para a defesa do seu patrimônio, quer material e imaterial, pois as rupturas e as fragilidades deterioram os valores com o passar dos tempos, pois as redes sociais da rede mundial dos computadores criaram novos paradigmas de comportamento de vida, em relação à convivência comunitária entre os povos e a sociedade atual.
Através desse evento as seis sociedades de tiro ao alvo pelo projeto proponente e pelo registro da pesquisa buscam salvaguardar o patrimônio imaterial – as festas de tiro rei - do Conjunto Rural do Rio Luz, uma região que tem a presença dos pomeranos e alemães, desde a década de 60, do século XIX.
A inciativa das sociedades de tiro ao alvo do Conjunto Rural do Rio da Luz é um exemplo comunitário, para salvaguardar os hábitos e os costumes dos antepassados, em sintonia com a contemporaneidade. Dessa forma, ainda teremos muitas comemorações do schützenverein.


Ademir Pfiffer – Historiador

Conjunto Rural Rio da Luz – Schützenverein – Baile típico dos Anos 60 - 08



Os moradores remanescentes do Conjunto Rural do Rio da Luz organizaram mais evento celebrando a cultura teuto-brasileira, o patrimônio imaterial do schützeverein – festa de tiro rei - conforme os costumes dos anos 60, na Sociedade Ribeirão Grande da Luz, Sohnstiefe, Município de Jaraguá do Sul (SC).
Nas edições anteriores, o evento do baile típico dos anos 60 contava com o incentivo do Fundo de Cultura do Município de Jaraguá do Sul. Desta vez, os teuto-brasileiros – pomeranos e alemães – por conta do associativismo organizaram a celebração da cultura germânica, que novamente foi um sucesso, tanto no quesito social e cultural.
A presença dos defensores do legado cultural dos antepassados, os associativista e simpatizantes fez a diferença, nem ausência da classe política – agentes facilitadores do Fundo de Cultura - não diminui o valor simbólico e o caráter, também de memória e folclore, que foi difundido no ponto de socaibilidade.
A tocata contratada para o evento era composta por músicos de Massaranduba, Blumenau e Pomerode. Assim, um roteiro foi programado: ritualística folclórica das majestades – carroceiros e troleiros se concentraram em frente à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, para recepcionar os músicos e os associativista do tiro ao alvo. De regresso à sede social aconteceu a sessão solene de homenagens, café colonial – com iguarias das festas de antigamente – competições de tiro ao alvo – baile social – à luz de lampião e tochas - sagração das novas majestades para a primavera austral de 2018.
O evento iniciou com a concentração de sócios às 17 h, em seguida partiu a caravana para a busca das seguintes majestades: Evanir Vasel, rei; Nilson Schweder, 1º cavalheiro e Ademar Hornburg, 2º cavalheiro.
Em 2018, pelo rodizio da festa, será novamente a sede da Associação Cultural e Recreativa Rio da Luz – Salão Barg, cujo rei será Valdecir Spredmann.
Todavia, é um desafio sensibilizar a nova geração, para a defesa do seu patrimônio, quer material e imaterial, pois as rupturas e as fragilidades deterioram os valores com o passar dos tempos, pois as redes sociais da rede mundial dos computadores criaram novos paradigmas de comportamento de vida, em relação à convivência comunitária entre os povos e a sociedade atual.
Através desse evento as seis sociedades de tiro ao alvo pelo projeto proponente e pelo registro da pesquisa buscam salvaguardar o patrimônio imaterial – as festas de tiro rei - do Conjunto Rural do Rio Luz, uma região que tem a presença dos pomeranos e alemães, desde a década de 60, do século XIX.
A inciativa das sociedades de tiro ao alvo do Conjunto Rural do Rio da Luz é um exemplo comunitário, para salvaguardar os hábitos e os costumes dos antepassados, em sintonia com a contemporaneidade. Dessa forma, ainda teremos muitas comemorações do schützenverein.


Ademir Pfiffer – Historiador

Conjunto Rural Rio da Luz – Schützenverein – Baile típico dos Anos 60 - 07



Os moradores remanescentes do Conjunto Rural do Rio da Luz organizaram mais evento celebrando a cultura teuto-brasileira, o patrimônio imaterial do schützeverein – festa de tiro rei - conforme os costumes dos anos 60, na Sociedade Ribeirão Grande da Luz, Sohnstiefe, Município de Jaraguá do Sul (SC).
Nas edições anteriores, o evento do baile típico dos anos 60 contava com o incentivo do Fundo de Cultura do Município de Jaraguá do Sul. Desta vez, os teuto-brasileiros – pomeranos e alemães – por conta do associativismo organizaram a celebração da cultura germânica, que novamente foi um sucesso, tanto no quesito social e cultural.
A presença dos defensores do legado cultural dos antepassados, os associativista e simpatizantes fez a diferença, nem ausência da classe política – agentes facilitadores do Fundo de Cultura - não diminui o valor simbólico e o caráter, também de memória e folclore, que foi difundido no ponto de socaibilidade.
A tocata contratada para o evento era composta por músicos de Massaranduba, Blumenau e Pomerode. Assim, um roteiro foi programado: ritualística folclórica das majestades – carroceiros e troleiros se concentraram em frente à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, para recepcionar os músicos e os associativista do tiro ao alvo. De regresso à sede social aconteceu a sessão solene de homenagens, café colonial – com iguarias das festas de antigamente – competições de tiro ao alvo – baile social – à luz de lampião e tochas - sagração das novas majestades para a primavera austral de 2018.
O evento iniciou com a concentração de sócios às 17 h, em seguida partiu a caravana para a busca das seguintes majestades: Evanir Vasel, rei; Nilson Schweder, 1º cavalheiro e Ademar Hornburg, 2º cavalheiro.
Em 2018, pelo rodizio da festa, será novamente a sede da Associação Cultural e Recreativa Rio da Luz – Salão Barg, cujo rei será Valdecir Spredmann.
Todavia, é um desafio sensibilizar a nova geração, para a defesa do seu patrimônio, quer material e imaterial, pois as rupturas e as fragilidades deterioram os valores com o passar dos tempos, pois as redes sociais da rede mundial dos computadores criaram novos paradigmas de comportamento de vida, em relação à convivência comunitária entre os povos e a sociedade atual.
Através desse evento as seis sociedades de tiro ao alvo pelo projeto proponente e pelo registro da pesquisa buscam salvaguardar o patrimônio imaterial – as festas de tiro rei - do Conjunto Rural do Rio Luz, uma região que tem a presença dos pomeranos e alemães, desde a década de 60, do século XIX.
A inciativa das sociedades de tiro ao alvo do Conjunto Rural do Rio da Luz é um exemplo comunitário, para salvaguardar os hábitos e os costumes dos antepassados, em sintonia com a contemporaneidade. Dessa forma, ainda teremos muitas comemorações do schützenverein.


Ademir Pfiffer – Historiador

Conjunto Rural Rio da Luz – Schützenverein – Baile típico dos Anos 60 - 06



Os moradores remanescentes do Conjunto Rural do Rio da Luz organizaram mais evento celebrando a cultura teuto-brasileira, o patrimônio imaterial do schützeverein – festa de tiro rei - conforme os costumes dos anos 60, na Sociedade Ribeirão Grande da Luz, Sohnstiefe, Município de Jaraguá do Sul (SC).
Nas edições anteriores, o evento do baile típico dos anos 60 contava com o incentivo do Fundo de Cultura do Município de Jaraguá do Sul. Desta vez, os teuto-brasileiros – pomeranos e alemães – por conta do associativismo organizaram a celebração da cultura germânica, que novamente foi um sucesso, tanto no quesito social e cultural.
A presença dos defensores do legado cultural dos antepassados, os associativista e simpatizantes fez a diferença, nem ausência da classe política – agentes facilitadores do Fundo de Cultura - não diminui o valor simbólico e o caráter, também de memória e folclore, que foi difundido no ponto de socaibilidade.
A tocata contratada para o evento era composta por músicos de Massaranduba, Blumenau e Pomerode. Assim, um roteiro foi programado: ritualística folclórica das majestades – carroceiros e troleiros se concentraram em frente à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, para recepcionar os músicos e os associativista do tiro ao alvo. De regresso à sede social aconteceu a sessão solene de homenagens, café colonial – com iguarias das festas de antigamente – competições de tiro ao alvo – baile social – à luz de lampião e tochas - sagração das novas majestades para a primavera austral de 2018.
O evento iniciou com a concentração de sócios às 17 h, em seguida partiu a caravana para a busca das seguintes majestades: Evanir Vasel, rei; Nilson Schweder, 1º cavalheiro e Ademar Hornburg, 2º cavalheiro.
Em 2018, pelo rodizio da festa, será novamente a sede da Associação Cultural e Recreativa Rio da Luz – Salão Barg, cujo rei será Valdecir Spredmann.
Todavia, é um desafio sensibilizar a nova geração, para a defesa do seu patrimônio, quer material e imaterial, pois as rupturas e as fragilidades deterioram os valores com o passar dos tempos, pois as redes sociais da rede mundial dos computadores criaram novos paradigmas de comportamento de vida, em relação à convivência comunitária entre os povos e a sociedade atual.
Através desse evento as seis sociedades de tiro ao alvo pelo projeto proponente e pelo registro da pesquisa buscam salvaguardar o patrimônio imaterial – as festas de tiro rei - do Conjunto Rural do Rio Luz, uma região que tem a presença dos pomeranos e alemães, desde a década de 60, do século XIX.
A inciativa das sociedades de tiro ao alvo do Conjunto Rural do Rio da Luz é um exemplo comunitário, para salvaguardar os hábitos e os costumes dos antepassados, em sintonia com a contemporaneidade. Dessa forma, ainda teremos muitas comemorações do schützenverein.


Ademir Pfiffer – Historiador

Conjunto Rural Rio da Luz – Schützenverein – Baile típico dos Anos 60 - 05



Os moradores remanescentes do Conjunto Rural do Rio da Luz organizaram mais evento celebrando a cultura teuto-brasileira, o patrimônio imaterial do schützeverein – festa de tiro rei - conforme os costumes dos anos 60, na Sociedade Ribeirão Grande da Luz, Sohnstiefe, Município de Jaraguá do Sul (SC).
Nas edições anteriores, o evento do baile típico dos anos 60 contava com o incentivo do Fundo de Cultura do Município de Jaraguá do Sul. Desta vez, os teuto-brasileiros – pomeranos e alemães – por conta do associativismo organizaram a celebração da cultura germânica, que novamente foi um sucesso, tanto no quesito social e cultural.
A presença dos defensores do legado cultural dos antepassados, os associativista e simpatizantes fez a diferença, nem ausência da classe política – agentes facilitadores do Fundo de Cultura - não diminui o valor simbólico e o caráter, também de memória e folclore, que foi difundido no ponto de socaibilidade.
A tocata contratada para o evento era composta por músicos de Massaranduba, Blumenau e Pomerode. Assim, um roteiro foi programado: ritualística folclórica das majestades – carroceiros e troleiros se concentraram em frente à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, para recepcionar os músicos e os associativista do tiro ao alvo. De regresso à sede social aconteceu a sessão solene de homenagens, café colonial – com iguarias das festas de antigamente – competições de tiro ao alvo – baile social – à luz de lampião e tochas - sagração das novas majestades para a primavera austral de 2018.
O evento iniciou com a concentração de sócios às 17 h, em seguida partiu a caravana para a busca das seguintes majestades: Evanir Vasel, rei; Nilson Schweder, 1º cavalheiro e Ademar Hornburg, 2º cavalheiro.
Em 2018, pelo rodizio da festa, será novamente a sede da Associação Cultural e Recreativa Rio da Luz – Salão Barg, cujo rei será Valdecir Spredmann.
Todavia, é um desafio sensibilizar a nova geração, para a defesa do seu patrimônio, quer material e imaterial, pois as rupturas e as fragilidades deterioram os valores com o passar dos tempos, pois as redes sociais da rede mundial dos computadores criaram novos paradigmas de comportamento de vida, em relação à convivência comunitária entre os povos e a sociedade atual.
Através desse evento as seis sociedades de tiro ao alvo pelo projeto proponente e pelo registro da pesquisa buscam salvaguardar o patrimônio imaterial – as festas de tiro rei - do Conjunto Rural do Rio Luz, uma região que tem a presença dos pomeranos e alemães, desde a década de 60, do século XIX.
A inciativa das sociedades de tiro ao alvo do Conjunto Rural do Rio da Luz é um exemplo comunitário, para salvaguardar os hábitos e os costumes dos antepassados, em sintonia com a contemporaneidade. Dessa forma, ainda teremos muitas comemorações do schützenverein.


Ademir Pfiffer – Historiador

Conjunto Rural Rio da Luz – Schützenverein – Baile típico dos Anos 60 - 04



Os moradores remanescentes do Conjunto Rural do Rio da Luz organizaram mais evento celebrando a cultura teuto-brasileira, o patrimônio imaterial do schützeverein – festa de tiro rei - conforme os costumes dos anos 60, na Sociedade Ribeirão Grande da Luz, Sohnstiefe, Município de Jaraguá do Sul (SC).
Nas edições anteriores, o evento do baile típico dos anos 60 contava com o incentivo do Fundo de Cultura do Município de Jaraguá do Sul. Desta vez, os teuto-brasileiros – pomeranos e alemães – por conta do associativismo organizaram a celebração da cultura germânica, que novamente foi um sucesso, tanto no quesito social e cultural.
A presença dos defensores do legado cultural dos antepassados, os associativista e simpatizantes fez a diferença, nem ausência da classe política – agentes facilitadores do Fundo de Cultura - não diminui o valor simbólico e o caráter, também de memória e folclore, que foi difundido no ponto de socaibilidade.
A tocata contratada para o evento era composta por músicos de Massaranduba, Blumenau e Pomerode. Assim, um roteiro foi programado: ritualística folclórica das majestades – carroceiros e troleiros se concentraram em frente à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, para recepcionar os músicos e os associativista do tiro ao alvo. De regresso à sede social aconteceu a sessão solene de homenagens, café colonial – com iguarias das festas de antigamente – competições de tiro ao alvo – baile social – à luz de lampião e tochas - sagração das novas majestades para a primavera austral de 2018.
O evento iniciou com a concentração de sócios às 17 h, em seguida partiu a caravana para a busca das seguintes majestades: Evanir Vasel, rei; Nilson Schweder, 1º cavalheiro e Ademar Hornburg, 2º cavalheiro.
Em 2018, pelo rodizio da festa, será novamente a sede da Associação Cultural e Recreativa Rio da Luz – Salão Barg, cujo rei será Valdecir Spredmann.
Todavia, é um desafio sensibilizar a nova geração, para a defesa do seu patrimônio, quer material e imaterial, pois as rupturas e as fragilidades deterioram os valores com o passar dos tempos, pois as redes sociais da rede mundial dos computadores criaram novos paradigmas de comportamento de vida, em relação à convivência comunitária entre os povos e a sociedade atual.
Através desse evento as seis sociedades de tiro ao alvo pelo projeto proponente e pelo registro da pesquisa buscam salvaguardar o patrimônio imaterial – as festas de tiro rei - do Conjunto Rural do Rio Luz, uma região que tem a presença dos pomeranos e alemães, desde a década de 60, do século XIX.
A inciativa das sociedades de tiro ao alvo do Conjunto Rural do Rio da Luz é um exemplo comunitário, para salvaguardar os hábitos e os costumes dos antepassados, em sintonia com a contemporaneidade. Dessa forma, ainda teremos muitas comemorações do schützenverein.


Ademir Pfiffer – Historiador

Conjunto Rural Rio da Luz – Schützenverein – Baile típico dos Anos 60 - 03



Os moradores remanescentes do Conjunto Rural do Rio da Luz organizaram mais evento celebrando a cultura teuto-brasileira, o patrimônio imaterial do schützeverein – festa de tiro rei - conforme os costumes dos anos 60, na Sociedade Ribeirão Grande da Luz, Sohnstiefe, Município de Jaraguá do Sul (SC).
Nas edições anteriores, o evento do baile típico dos anos 60 contava com o incentivo do Fundo de Cultura do Município de Jaraguá do Sul. Desta vez, os teuto-brasileiros – pomeranos e alemães – por conta do associativismo organizaram a celebração da cultura germânica, que novamente foi um sucesso, tanto no quesito social e cultural.
A presença dos defensores do legado cultural dos antepassados, os associativista e simpatizantes fez a diferença, nem ausência da classe política – agentes facilitadores do Fundo de Cultura - não diminui o valor simbólico e o caráter, também de memória e folclore, que foi difundido no ponto de socaibilidade.
A tocata contratada para o evento era composta por músicos de Massaranduba, Blumenau e Pomerode. Assim, um roteiro foi programado: ritualística folclórica das majestades – carroceiros e troleiros se concentraram em frente à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, para recepcionar os músicos e os associativista do tiro ao alvo. De regresso à sede social aconteceu a sessão solene de homenagens, café colonial – com iguarias das festas de antigamente – competições de tiro ao alvo – baile social – à luz de lampião e tochas - sagração das novas majestades para a primavera austral de 2018.
O evento iniciou com a concentração de sócios às 17 h, em seguida partiu a caravana para a busca das seguintes majestades: Evanir Vasel, rei; Nilson Schweder, 1º cavalheiro e Ademar Hornburg, 2º cavalheiro.
Em 2018, pelo rodizio da festa, será novamente a sede da Associação Cultural e Recreativa Rio da Luz – Salão Barg, cujo rei será Valdecir Spredmann.
Todavia, é um desafio sensibilizar a nova geração, para a defesa do seu patrimônio, quer material e imaterial, pois as rupturas e as fragilidades deterioram os valores com o passar dos tempos, pois as redes sociais da rede mundial dos computadores criaram novos paradigmas de comportamento de vida, em relação à convivência comunitária entre os povos e a sociedade atual.
Através desse evento as seis sociedades de tiro ao alvo pelo projeto proponente e pelo registro da pesquisa buscam salvaguardar o patrimônio imaterial – as festas de tiro rei - do Conjunto Rural do Rio Luz, uma região que tem a presença dos pomeranos e alemães, desde a década de 60, do século XIX.
A inciativa das sociedades de tiro ao alvo do Conjunto Rural do Rio da Luz é um exemplo comunitário, para salvaguardar os hábitos e os costumes dos antepassados, em sintonia com a contemporaneidade. Dessa forma, ainda teremos muitas comemorações do schützenverein.


Ademir Pfiffer – Historiador

Conjunto Rural Rio da Luz – Schützenverein – Baile típico dos Anos 60 - 02



Os moradores remanescentes do Conjunto Rural do Rio da Luz organizaram mais evento celebrando a cultura teuto-brasileira, o patrimônio imaterial do schützeverein – festa de tiro rei - conforme os costumes dos anos 60, na Sociedade Ribeirão Grande da Luz, Sohnstiefe, Município de Jaraguá do Sul (SC).
Nas edições anteriores, o evento do baile típico dos anos 60 contava com o incentivo do Fundo de Cultura do Município de Jaraguá do Sul. Desta vez, os teuto-brasileiros – pomeranos e alemães – por conta do associativismo organizaram a celebração da cultura germânica, que novamente foi um sucesso, tanto no quesito social e cultural.
A presença dos defensores do legado cultural dos antepassados, os associativista e simpatizantes fez a diferença, nem ausência da classe política – agentes facilitadores do Fundo de Cultura - não diminui o valor simbólico e o caráter, também de memória e folclore, que foi difundido no ponto de socaibilidade.
A tocata contratada para o evento era composta por músicos de Massaranduba, Blumenau e Pomerode. Assim, um roteiro foi programado: ritualística folclórica das majestades – carroceiros e troleiros se concentraram em frente à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, para recepcionar os músicos e os associativista do tiro ao alvo. De regresso à sede social aconteceu a sessão solene de homenagens, café colonial – com iguarias das festas de antigamente – competições de tiro ao alvo – baile social – à luz de lampião e tochas - sagração das novas majestades para a primavera austral de 2018.
O evento iniciou com a concentração de sócios às 17 h, em seguida partiu a caravana para a busca das seguintes majestades: Evanir Vasel, rei; Nilson Schweder, 1º cavalheiro e Ademar Hornburg, 2º cavalheiro.
Em 2018, pelo rodizio da festa, será novamente a sede da Associação Cultural e Recreativa Rio da Luz – Salão Barg, cujo rei será Valdecir Spredmann.
Todavia, é um desafio sensibilizar a nova geração, para a defesa do seu patrimônio, quer material e imaterial, pois as rupturas e as fragilidades deterioram os valores com o passar dos tempos, pois as redes sociais da rede mundial dos computadores criaram novos paradigmas de comportamento de vida, em relação à convivência comunitária entre os povos e a sociedade atual.
Através desse evento as seis sociedades de tiro ao alvo pelo projeto proponente e pelo registro da pesquisa buscam salvaguardar o patrimônio imaterial – as festas de tiro rei - do Conjunto Rural do Rio Luz, uma região que tem a presença dos pomeranos e alemães, desde a década de 60, do século XIX.
A inciativa das sociedades de tiro ao alvo do Conjunto Rural do Rio da Luz é um exemplo comunitário, para salvaguardar os hábitos e os costumes dos antepassados, em sintonia com a contemporaneidade. Dessa forma, ainda teremos muitas comemorações do schützenverein.


Ademir Pfiffer – Historiador

Conjunto Rural Rio da Luz – Schützenverein – Baile Típico dos Anos 60 - 01



Os moradores remanescentes do Conjunto Rural do Rio da Luz organizaram mais evento celebrando a cultura teuto-brasileira, o patrimônio imaterial do schützeverein – festa de tiro rei - conforme os costumes dos anos 60, na Sociedade Ribeirão Grande da Luz, Sohnstiefe, Município de Jaraguá do Sul (SC).
Nas edições anteriores, o evento do baile típico dos anos 60 contava com o incentivo do Fundo de Cultura do Município de Jaraguá do Sul. Desta vez, os teuto-brasileiros – pomeranos e alemães – por conta do associativismo organizaram a celebração da cultura germânica, que novamente foi um sucesso, tanto no quesito social e cultural.
A presença dos defensores do legado cultural dos antepassados, os associativista e simpatizantes fez a diferença, nem ausência da classe política – agentes facilitadores do Fundo de Cultura - não diminui o valor simbólico e o caráter, também de memória e folclore, que foi difundido no ponto de socaibilidade.
A tocata contratada para o evento era composta por músicos de Massaranduba, Blumenau e Pomerode. Assim, um roteiro foi programado: ritualística folclórica das majestades – carroceiros e troleiros se concentraram em frente à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, para recepcionar os músicos e os associativista do tiro ao alvo. De regresso à sede social aconteceu a sessão solene de homenagens, café colonial – com iguarias das festas de antigamente – competições de tiro ao alvo – baile social – à luz de lampião e tochas - sagração das novas majestades para a primavera austral de 2018.
O evento iniciou com a concentração de sócios às 17 h, em seguida partiu a caravana para a busca das seguintes majestades: Evanir Vasel, rei; Nilson Schweder, 1º cavalheiro e Ademar Hornburg, 2º cavalheiro.
Em 2018, pelo rodizio da festa, será novamente a sede da Associação Cultural e Recreativa Rio da Luz – Salão Barg, cujo rei será Valdecir Spredmann.
Todavia, é um desafio sensibilizar a nova geração, para a defesa do seu patrimônio, quer material e imaterial, pois as rupturas e as fragilidades deterioram os valores com o passar dos tempos, pois as redes sociais da rede mundial dos computadores criaram novos paradigmas de comportamento de vida, em relação à convivência comunitária entre os povos e a sociedade atual.
Através desse evento as seis sociedades de tiro ao alvo pelo projeto proponente e pelo registro da pesquisa buscam salvaguardar o patrimônio imaterial – as festas de tiro rei - do Conjunto Rural do Rio Luz, uma região que tem a presença dos pomeranos e alemães, desde a década de 60, do século XIX.
A inciativa das sociedades de tiro ao alvo do Conjunto Rural do Rio da Luz é um exemplo comunitário, para salvaguardar os hábitos e os costumes dos antepassados, em sintonia com a contemporaneidade. Dessa forma, ainda teremos muitas comemorações do schützenverein.


Ademir Pfiffer – Historiador

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Sociedade Aliança: Patrimônio Cultural festa de tiro rei - 09



O que aconteceu? Festa de tiro rei das majestades Fabiano Xavier (rei), Elio Töwe (1º cavalheiro) e Waldemar Köppe (2º cavalheiro). O evento foi musicalizado pela tocata Melodia Show de Blumenau (SC).
Quando? Sábado, 7 de outubro, à partir das 14h, na sede social da Sociedade Esportiva e Recreativa Aliança, em Rio Cerro II, na Rodovia Wolfgang Weege.
Como foi o evento? Era uma tarde de chuvosa, quando aconteceu a tradicional ritualística folclórica de busca de majestades, cuja marcha foi comanda por Ivanir Schwanz, que ocorreu no interior da sede social, seguida da sessão de homenagem.
Em seguida começou as competições de tiro ao alvo, tarde dançante, café típico com as iguarias da especialidade da cozinha alemã e pomerana, e proclamação das novas majestades.
A Sociedade Aliança segue a sua missão de salvaguardar o patrimônio cultural e folclórico, em conformidade com o seu estatuto social, do ano de 1949.


O patrimônio do schützenverein continua sendo a força e o elemento que caracteriza a identidade cultural da comunidade teuto-rio cerrense, organizada e planejada, para continuar a vencer os desafios de unir, fazer acontecer e manter o patrimônio material e imaterial, segundo as preocupações da Unesco.
Em 68 anos de existência da entidade associativista, a sociedade jaraguaense evolui da economia rural, para industrial e tecnológica. Porém, essa comunidade revela em suas ações pelo associativismo, por exemplo, que sociedade de tiro ao alvo é a melhor razão para salvaguardar a herança cultural dos antepassados, naquela comunidade teuto-brasileira.
Portanto, a Sociedade Aliança está à caminho do seu centenário, através de inúmeras ações articuladas de acordo com os princípios e valores, que regem os costumes da sua gente.

Dessa forma, a cultura é o viés para seguir a trajetória da evolução, sem perder as referências da identidade cultural, que muito orgulha Jaraguá do Sul e Santa Catarina.


Ademir Pfiffer – Historiador

Sociedade Aliança: Patrimônio Cultural festa de tiro rei - 08



O que aconteceu? Festa de tiro rei das majestades Fabiano Xavier (rei), Elio Töwe (1º cavalheiro) e Waldemar Köppe (2º cavalheiro). O evento foi musicalizado pela tocata Melodia Show de Blumenau (SC).
Quando? Sábado, 7 de outubro, à partir das 14h, na sede social da Sociedade Esportiva e Recreativa Aliança, em Rio Cerro II, na Rodovia Wolfgang Weege.
Como foi o evento? Era uma tarde de chuvosa, quando aconteceu a tradicional ritualística folclórica de busca de majestades, cuja marcha foi comanda por Ivanir Schwanz, que ocorreu no interior da sede social, seguida da sessão de homenagem.
Em seguida começou as competições de tiro ao alvo, tarde dançante, café típico com as iguarias da especialidade da cozinha alemã e pomerana, e proclamação das novas majestades.
A Sociedade Aliança segue a sua missão de salvaguardar o patrimônio cultural e folclórico, em conformidade com o seu estatuto social, do ano de 1949.


O patrimônio do schützenverein continua sendo a força e o elemento que caracteriza a identidade cultural da comunidade teuto-rio cerrense, organizada e planejada, para continuar a vencer os desafios de unir, fazer acontecer e manter o patrimônio material e imaterial, segundo as preocupações da Unesco.
Em 68 anos de existência da entidade associativista, a sociedade jaraguaense evolui da economia rural, para industrial e tecnológica. Porém, essa comunidade revela em suas ações pelo associativismo, por exemplo, que sociedade de tiro ao alvo é a melhor razão para salvaguardar a herança cultural dos antepassados, naquela comunidade teuto-brasileira.
Portanto, a Sociedade Aliança está à caminho do seu centenário, através de inúmeras ações articuladas de acordo com os princípios e valores, que regem os costumes da sua gente.

Dessa forma, a cultura é o viés para seguir a trajetória da evolução, sem perder as referências da identidade cultural, que muito orgulha Jaraguá do Sul e Santa Catarina.


Ademir Pfiffer – Historiador

Sociedade Aliança: Patrimônio Cultural festa de tiro rei - 07



O que aconteceu? Festa de tiro rei das majestades Fabiano Xavier (rei), Elio Töwe (1º cavalheiro) e Waldemar Köppe (2º cavalheiro). O evento foi musicalizado pela tocata Melodia Show de Blumenau (SC).
Quando? Sábado, 7 de outubro, à partir das 14h, na sede social da Sociedade Esportiva e Recreativa Aliança, em Rio Cerro II, na Rodovia Wolfgang Weege.
Como foi o evento? Era uma tarde de chuvosa, quando aconteceu a tradicional ritualística folclórica de busca de majestades, cuja marcha foi comanda por Ivanir Schwanz, que ocorreu no interior da sede social, seguida da sessão de homenagem.
Em seguida começou as competições de tiro ao alvo, tarde dançante, café típico com as iguarias da especialidade da cozinha alemã e pomerana, e proclamação das novas majestades.
A Sociedade Aliança segue a sua missão de salvaguardar o patrimônio cultural e folclórico, em conformidade com o seu estatuto social, do ano de 1949.


O patrimônio do schützenverein continua sendo a força e o elemento que caracteriza a identidade cultural da comunidade teuto-rio cerrense, organizada e planejada, para continuar a vencer os desafios de unir, fazer acontecer e manter o patrimônio material e imaterial, segundo as preocupações da Unesco.
Em 68 anos de existência da entidade associativista, a sociedade jaraguaense evolui da economia rural, para industrial e tecnológica. Porém, essa comunidade revela em suas ações pelo associativismo, por exemplo, que sociedade de tiro ao alvo é a melhor razão para salvaguardar a herança cultural dos antepassados, naquela comunidade teuto-brasileira.
Portanto, a Sociedade Aliança está à caminho do seu centenário, através de inúmeras ações articuladas de acordo com os princípios e valores, que regem os costumes da sua gente.

Dessa forma, a cultura é o viés para seguir a trajetória da evolução, sem perder as referências da identidade cultural, que muito orgulha Jaraguá do Sul e Santa Catarina.


Ademir Pfiffer – Historiador

Sociedade Aliança: Patrimônio Cultural festa de tiro rei - 06



O que aconteceu? Festa de tiro rei das majestades Fabiano Xavier (rei), Elio Töwe (1º cavalheiro) e Waldemar Köppe (2º cavalheiro). O evento foi musicalizado pela tocata Melodia Show de Blumenau (SC).
Quando? Sábado, 7 de outubro, à partir das 14h, na sede social da Sociedade Esportiva e Recreativa Aliança, em Rio Cerro II, na Rodovia Wolfgang Weege.
Como foi o evento? Era uma tarde de chuvosa, quando aconteceu a tradicional ritualística folclórica de busca de majestades, cuja marcha foi comanda por Ivanir Schwanz, que ocorreu no interior da sede social, seguida da sessão de homenagem.
Em seguida começou as competições de tiro ao alvo, tarde dançante, café típico com as iguarias da especialidade da cozinha alemã e pomerana, e proclamação das novas majestades.
A Sociedade Aliança segue a sua missão de salvaguardar o patrimônio cultural e folclórico, em conformidade com o seu estatuto social, do ano de 1949.


O patrimônio do schützenverein continua sendo a força e o elemento que caracteriza a identidade cultural da comunidade teuto-rio cerrense, organizada e planejada, para continuar a vencer os desafios de unir, fazer acontecer e manter o patrimônio material e imaterial, segundo as preocupações da Unesco.
Em 68 anos de existência da entidade associativista, a sociedade jaraguaense evolui da economia rural, para industrial e tecnológica. Porém, essa comunidade revela em suas ações pelo associativismo, por exemplo, que sociedade de tiro ao alvo é a melhor razão para salvaguardar a herança cultural dos antepassados, naquela comunidade teuto-brasileira.
Portanto, a Sociedade Aliança está à caminho do seu centenário, através de inúmeras ações articuladas de acordo com os princípios e valores, que regem os costumes da sua gente.

Dessa forma, a cultura é o viés para seguir a trajetória da evolução, sem perder as referências da identidade cultural, que muito orgulha Jaraguá do Sul e Santa Catarina.


Ademir Pfiffer – Historiador

Sociedade Aliança: Patrimônio Cultural festa de tiro rei - 05



O que aconteceu? Festa de tiro rei das majestades Fabiano Xavier (rei), Elio Töwe (1º cavalheiro) e Waldemar Köppe (2º cavalheiro). O evento foi musicalizado pela tocata Melodia Show de Blumenau (SC).
Quando? Sábado, 7 de outubro, à partir das 14h, na sede social da Sociedade Esportiva e Recreativa Aliança, em Rio Cerro II, na Rodovia Wolfgang Weege.
Como foi o evento? Era uma tarde de chuvosa, quando aconteceu a tradicional ritualística folclórica de busca de majestades, cuja marcha foi comanda por Ivanir Schwanz, que ocorreu no interior da sede social, seguida da sessão de homenagem.
Em seguida começou as competições de tiro ao alvo, tarde dançante, café típico com as iguarias da especialidade da cozinha alemã e pomerana, e proclamação das novas majestades.
A Sociedade Aliança segue a sua missão de salvaguardar o patrimônio cultural e folclórico, em conformidade com o seu estatuto social, do ano de 1949.


O patrimônio do schützenverein continua sendo a força e o elemento que caracteriza a identidade cultural da comunidade teuto-rio cerrense, organizada e planejada, para continuar a vencer os desafios de unir, fazer acontecer e manter o patrimônio material e imaterial, segundo as preocupações da Unesco.
Em 68 anos de existência da entidade associativista, a sociedade jaraguaense evolui da economia rural, para industrial e tecnológica. Porém, essa comunidade revela em suas ações pelo associativismo, por exemplo, que sociedade de tiro ao alvo é a melhor razão para salvaguardar a herança cultural dos antepassados, naquela comunidade teuto-brasileira.
Portanto, a Sociedade Aliança está à caminho do seu centenário, através de inúmeras ações articuladas de acordo com os princípios e valores, que regem os costumes da sua gente.

Dessa forma, a cultura é o viés para seguir a trajetória da evolução, sem perder as referências da identidade cultural, que muito orgulha Jaraguá do Sul e Santa Catarina.


Ademir Pfiffer – Historiador

Sociedade Aliança: Patrimônio Cultural festa de tiro rei - 04



O que aconteceu? Festa de tiro rei das majestades Fabiano Xavier (rei), Elio Töwe (1º cavalheiro) e Waldemar Köppe (2º cavalheiro). O evento foi musicalizado pela tocata Melodia Show de Blumenau (SC).
Quando? Sábado, 7 de outubro, à partir das 14h, na sede social da Sociedade Esportiva e Recreativa Aliança, em Rio Cerro II, na Rodovia Wolfgang Weege.
Como foi o evento? Era uma tarde de chuvosa, quando aconteceu a tradicional ritualística folclórica de busca de majestades, cuja marcha foi comanda por Ivanir Schwanz, que ocorreu no interior da sede social, seguida da sessão de homenagem.
Em seguida começou as competições de tiro ao alvo, tarde dançante, café típico com as iguarias da especialidade da cozinha alemã e pomerana, e proclamação das novas majestades.
A Sociedade Aliança segue a sua missão de salvaguardar o patrimônio cultural e folclórico, em conformidade com o seu estatuto social, do ano de 1949.


O patrimônio do schützenverein continua sendo a força e o elemento que caracteriza a identidade cultural da comunidade teuto-rio cerrense, organizada e planejada, para continuar a vencer os desafios de unir, fazer acontecer e manter o patrimônio material e imaterial, segundo as preocupações da Unesco.
Em 68 anos de existência da entidade associativista, a sociedade jaraguaense evolui da economia rural, para industrial e tecnológica. Porém, essa comunidade revela em suas ações pelo associativismo, por exemplo, que sociedade de tiro ao alvo é a melhor razão para salvaguardar a herança cultural dos antepassados, naquela comunidade teuto-brasileira.
Portanto, a Sociedade Aliança está à caminho do seu centenário, através de inúmeras ações articuladas de acordo com os princípios e valores, que regem os costumes da sua gente.

Dessa forma, a cultura é o viés para seguir a trajetória da evolução, sem perder as referências da identidade cultural, que muito orgulha Jaraguá do Sul e Santa Catarina.


Ademir Pfiffer – Historiador

Sociedade Aliança: Patrimônio Cultural festa de tiro rei - 03



O que aconteceu? Festa de tiro rei das majestades Fabiano Xavier (rei), Elio Töwe (1º cavalheiro) e Waldemar Köppe (2º cavalheiro). O evento foi musicalizado pela tocata Melodia Show de Blumenau (SC).
Quando? Sábado, 7 de outubro, à partir das 14h, na sede social da Sociedade Esportiva e Recreativa Aliança, em Rio Cerro II, na Rodovia Wolfgang Weege.
Como foi o evento? Era uma tarde de chuvosa, quando aconteceu a tradicional ritualística folclórica de busca de majestades, cuja marcha foi comanda por Ivanir Schwanz, que ocorreu no interior da sede social, seguida da sessão de homenagem.
Em seguida começou as competições de tiro ao alvo, tarde dançante, café típico com as iguarias da especialidade da cozinha alemã e pomerana, e proclamação das novas majestades.
A Sociedade Aliança segue a sua missão de salvaguardar o patrimônio cultural e folclórico, em conformidade com o seu estatuto social, do ano de 1949.


O patrimônio do schützenverein continua sendo a força e o elemento que caracteriza a identidade cultural da comunidade teuto-rio cerrense, organizada e planejada, para continuar a vencer os desafios de unir, fazer acontecer e manter o patrimônio material e imaterial, segundo as preocupações da Unesco.
Em 68 anos de existência da entidade associativista, a sociedade jaraguaense evolui da economia rural, para industrial e tecnológica. Porém, essa comunidade revela em suas ações pelo associativismo, por exemplo, que sociedade de tiro ao alvo é a melhor razão para salvaguardar a herança cultural dos antepassados, naquela comunidade teuto-brasileira.
Portanto, a Sociedade Aliança está à caminho do seu centenário, através de inúmeras ações articuladas de acordo com os princípios e valores, que regem os costumes da sua gente.

Dessa forma, a cultura é o viés para seguir a trajetória da evolução, sem perder as referências da identidade cultural, que muito orgulha Jaraguá do Sul e Santa Catarina.


Ademir Pfiffer – Historiador

Sociedade Aliança: Patrimônio Cultural festa de tiro rei - 02



O que aconteceu? Festa de tiro rei das majestades Fabiano Xavier (rei), Elio Töwe (1º cavalheiro) e Waldemar Köppe (2º cavalheiro). O evento foi musicalizado pela tocata Melodia Show de Blumenau (SC).
Quando? Sábado, 7 de outubro, à partir das 14h, na sede social da Sociedade Esportiva e Recreativa Aliança, em Rio Cerro II, na Rodovia Wolfgang Weege.
Como foi o evento? Era uma tarde de chuvosa, quando aconteceu a tradicional ritualística folclórica de busca de majestades, cuja marcha foi comanda por Ivanir Schwanz, que ocorreu no interior da sede social, seguida da sessão de homenagem.
Em seguida começou as competições de tiro ao alvo, tarde dançante, café típico com as iguarias da especialidade da cozinha alemã e pomerana, e proclamação das novas majestades.
A Sociedade Aliança segue a sua missão de salvaguardar o patrimônio cultural e folclórico, em conformidade com o seu estatuto social, do ano de 1949.


O patrimônio do schützenverein continua sendo a força e o elemento que caracteriza a identidade cultural da comunidade teuto-rio cerrense, organizada e planejada, para continuar a vencer os desafios de unir, fazer acontecer e manter o patrimônio material e imaterial, segundo as preocupações da Unesco.
Em 68 anos de existência da entidade associativista, a sociedade jaraguaense evolui da economia rural, para industrial e tecnológica. Porém, essa comunidade revela em suas ações pelo associativismo, por exemplo, que sociedade de tiro ao alvo é a melhor razão para salvaguardar a herança cultural dos antepassados, naquela comunidade teuto-brasileira.
Portanto, a Sociedade Aliança está à caminho do seu centenário, através de inúmeras ações articuladas de acordo com os princípios e valores, que regem os costumes da sua gente.

Dessa forma, a cultura é o viés para seguir a trajetória da evolução, sem perder as referências da identidade cultural, que muito orgulha Jaraguá do Sul e Santa Catarina.


Ademir Pfiffer – Historiador

Sociedade Aliança: Patrimônio Cultural festa de tiro rei - 01



O que aconteceu? Festa de tiro rei das majestades Fabiano Xavier (rei), Elio Töwe (1º cavalheiro) e Waldemar Köppe (2º cavalheiro). O evento foi musicalizado pela tocata Melodia Show de Blumenau (SC).
Quando? Sábado, 7 de outubro, à partir das 14h, na sede social da Sociedade Esportiva e Recreativa Aliança, em Rio Cerro II, na Rodovia Wolfgang Weege.
Como foi o evento? Era uma tarde de chuvosa, quando aconteceu a tradicional ritualística folclórica de busca de majestades, cuja marcha foi comanda por Ivanir Schwanz, que ocorreu no interior da sede social, seguida da sessão de homenagem.
Em seguida começou as competições de tiro ao alvo, tarde dançante, café típico com as iguarias da especialidade da cozinha alemã e pomerana, e proclamação das novas majestades.
A Sociedade Aliança segue a sua missão de salvaguardar o patrimônio cultural e folclórico, em conformidade com o seu estatuto social, do ano de 1949.


O patrimônio do schützenverein continua sendo a força e o elemento que caracteriza a identidade cultural da comunidade teuto-rio cerrense, organizada e planejada, para continuar a vencer os desafios de unir, fazer acontecer e manter o patrimônio material e imaterial, segundo as preocupações da Unesco.
Em 68 anos de existência da entidade associativista, a sociedade jaraguaense evolui da economia rural, para industrial e tecnológica. Porém, essa comunidade revela em suas ações pelo associativismo, por exemplo, que sociedade de tiro ao alvo é a melhor razão para salvaguardar a herança cultural dos antepassados, naquela comunidade teuto-brasileira.
Portanto, a Sociedade Aliança está à caminho do seu centenário, através de inúmeras ações articuladas de acordo com os princípios e valores, que regem os costumes da sua gente.

Dessa forma, a cultura é o viés para seguir a trajetória da evolução, sem perder as referências da identidade cultural, que muito orgulha Jaraguá do Sul e Santa Catarina.


Ademir Pfiffer – Historiador

Sociedade Amizade – Schützenverein – 10



A Sociedade Desportiva e Recreativa Amizade foi fundada em 10 de janeiro de 1954 por 16 associados, a maioria teuto-brasileiros e moradores no entorno da entidade associativista. Atualmente, a mesma continua com a missão de salvaguardar o patrimônio do Schützenverein, manifestação de afirmação da identidade cultural do Município de Jaraguá do Sul.
No sábado 23 de setembro de 2017 aconteceu a festa do Senhor Nori Laffin, rei; cuja corte era completada pelos Carlos Linder (1º cavalheiro) e Edmar Porath (2º cavalheiro).
A caravana em busca do rei chegou às 14 horas e 30 minutos, através fretamento de micro-ônibus. Em seguida aconteceu a ritualística de busca das majestades.
O evento da celebração do schützenverein aconteceu em Guaramirim (SC), na sede da Recreativa Mannes, cuja sede é à margem da Rodovia Waldemar Grubba (Br 280), sendo abrilhantado pela Banda Versalles do bairro João Pessoa de Jaraguá do Sul.
O Senhor Dieter Grützmacher foi o orador da tarde, que enalteceu o patrimônio cultural fundado pela comunidade de Três Rios do Norte, nos idos dos anos 50.


A Sociedade Amizade tem ainda o seu firme propósito de manter a tradição do tiro ao alvo, através das festas anuais realizadas nas quatro estações do ano.
O evento desta edição mudou a tipologia da competição para proclamação do rei do tiro (könig). Foi inserida a competição da peca, para facilitar a participação de todos, principalmente, os idosos, que possui limitação na visão para alvejar o alvo do tiro com precisão.
Já se passaram mais de 60 anos da fundação, as festas de tiro rei e rainha mantêm as raízes da tradição germânica, proclamada no Estatuto Social da entidade associativista, de promoção do lazer social e cultural lícitas.


Portanto, fica o desafio às novas gerações da diretoria da Sociedade Amizade de salvaguardar o patrimônio constituído pelos antepassados, pois representou e ainda representa a unidade e a boa convivência harmônica, em comunidade, pois as raízes do schützenverein simbolizam a cultura teuto-brasileira e tradicional.
Assim, os fundamentos de valorizar e preservar essa cultural imaterial, é o foco de gestão da atual diretoria.
Embora vulnerável as prática das culturas tradicionais em detrimento das transformações dos tempos, a atual sociedade contemporânea está em ritmo acelerado de progresso face a chegada da era da internet e da rede sociais. Essa mudança de paradigma no desenvolvimento das sociedades tem provocado rupturas e mudanças nos hábitos e costumes dos povos e alterando radicalmente, os padrões da boa convivência em comunidade.
Todavia, essa entidade associativista leva a sério a missão de preservar a identidade cultural do bairro Amizade, que inclusive leva o nome da sociedade de tiro, pois é referência na difusão do patrimônio do schützeverein, em Jaraguá do Sul.


Ademir Pfiffer – Historiador

Sociedade Amizade – Schützenverein – 09



A Sociedade Desportiva e Recreativa Amizade foi fundada em 10 de janeiro de 1954 por 16 associados, a maioria teuto-brasileiros e moradores no entorno da entidade associativista. Atualmente, a mesma continua com a missão de salvaguardar o patrimônio do Schützenverein, manifestação de afirmação da identidade cultural do Município de Jaraguá do Sul.
No sábado 23 de setembro de 2017 aconteceu a festa do Senhor Nori Laffin, rei; cuja corte era completada pelos Carlos Linder (1º cavalheiro) e Edmar Porath (2º cavalheiro).
A caravana em busca do rei chegou às 14 horas e 30 minutos, através fretamento de micro-ônibus. Em seguida aconteceu a ritualística de busca das majestades.
O evento da celebração do schützenverein aconteceu em Guaramirim (SC), na sede da Recreativa Mannes, cuja sede é à margem da Rodovia Waldemar Grubba (Br 280), sendo abrilhantado pela Banda Versalles do bairro João Pessoa de Jaraguá do Sul.
O Senhor Dieter Grützmacher foi o orador da tarde, que enalteceu o patrimônio cultural fundado pela comunidade de Três Rios do Norte, nos idos dos anos 50.


A Sociedade Amizade tem ainda o seu firme propósito de manter a tradição do tiro ao alvo, através das festas anuais realizadas nas quatro estações do ano.
O evento desta edição mudou a tipologia da competição para proclamação do rei do tiro (könig). Foi inserida a competição da peca, para facilitar a participação de todos, principalmente, os idosos, que possui limitação na visão para alvejar o alvo do tiro com precisão.
Já se passaram mais de 60 anos da fundação, as festas de tiro rei e rainha mantêm as raízes da tradição germânica, proclamada no Estatuto Social da entidade associativista, de promoção do lazer social e cultural lícitas.


Portanto, fica o desafio às novas gerações da diretoria da Sociedade Amizade de salvaguardar o patrimônio constituído pelos antepassados, pois representou e ainda representa a unidade e a boa convivência harmônica, em comunidade, pois as raízes do schützenverein simbolizam a cultura teuto-brasileira e tradicional.
Assim, os fundamentos de valorizar e preservar essa cultural imaterial, é o foco de gestão da atual diretoria.
Embora vulnerável as prática das culturas tradicionais em detrimento das transformações dos tempos, a atual sociedade contemporânea está em ritmo acelerado de progresso face a chegada da era da internet e da rede sociais. Essa mudança de paradigma no desenvolvimento das sociedades tem provocado rupturas e mudanças nos hábitos e costumes dos povos e alterando radicalmente, os padrões da boa convivência em comunidade.
Todavia, essa entidade associativista leva a sério a missão de preservar a identidade cultural do bairro Amizade, que inclusive leva o nome da sociedade de tiro, pois é referência na difusão do patrimônio do schützeverein, em Jaraguá do Sul.


Ademir Pfiffer – Historiador

Sociedade Amizade – Schützenverein – 08



A Sociedade Desportiva e Recreativa Amizade foi fundada em 10 de janeiro de 1954 por 16 associados, a maioria teuto-brasileiros e moradores no entorno da entidade associativista. Atualmente, a mesma continua com a missão de salvaguardar o patrimônio do Schützenverein, manifestação de afirmação da identidade cultural do Município de Jaraguá do Sul.
No sábado 23 de setembro de 2017 aconteceu a festa do Senhor Nori Laffin, rei; cuja corte era completada pelos Carlos Linder (1º cavalheiro) e Edmar Porath (2º cavalheiro).
A caravana em busca do rei chegou às 14 horas e 30 minutos, através fretamento de micro-ônibus. Em seguida aconteceu a ritualística de busca das majestades.
O evento da celebração do schützenverein aconteceu em Guaramirim (SC), na sede da Recreativa Mannes, cuja sede é à margem da Rodovia Waldemar Grubba (Br 280), sendo abrilhantado pela Banda Versalles do bairro João Pessoa de Jaraguá do Sul.
O Senhor Dieter Grützmacher foi o orador da tarde, que enalteceu o patrimônio cultural fundado pela comunidade de Três Rios do Norte, nos idos dos anos 50.
A Sociedade Amizade tem ainda o seu firme propósito de manter a tradição do tiro ao alvo, através das festas anuais realizadas nas quatro estações do ano.
O evento desta edição mudou a tipologia da competição para proclamação do rei do tiro (könig). Foi inserida a competição da peca, para facilitar a participação de todos, principalmente, os idosos, que possui limitação na visão para alvejar o alvo do tiro com precisão.
Já se passaram mais de 60 anos da fundação, as festas de tiro rei e rainha mantêm as raízes da tradição germânica, proclamada no Estatuto Social da entidade associativista, de promoção do lazer social e cultural lícitas.
Portanto, fica o desafio às novas gerações da diretoria da Sociedade Amizade de salvaguardar o patrimônio constituído pelos antepassados, pois representou e ainda representa a unidade e a boa convivência harmônica, em comunidade, pois as raízes do schützenverein simbolizam a cultura teuto-brasileira e tradicional.
Assim, os fundamentos de valorizar e preservar essa cultural imaterial, é o foco de gestão da atual diretoria.
Embora vulnerável as prática das culturas tradicionais em detrimento das transformações dos tempos, a atual sociedade contemporânea está em ritmo acelerado de progresso face a chegada da era da internet e da rede sociais. Essa mudança de paradigma no desenvolvimento das sociedades tem provocado rupturas e mudanças nos hábitos e costumes dos povos e alterando radicalmente, os padrões da boa convivência em comunidade.
Todavia, essa entidade associativista leva a sério a missão de preservar a identidade cultural do bairro Amizade, que inclusive leva o nome da sociedade de tiro, pois é referência na difusão do patrimônio do schützeverein, em Jaraguá do Sul.


Ademir Pfiffer – Historiador